Entenda os sintomas da meningite infantil a importância da família para prevenção da doença

Meningite é o nome dado à inflamação da meninge, que é uma membrana que recobre e protege o cérebro. A meningite é uma doença grave e preocupa devido à severidade de alguns casos, que podem evoluir a óbito ou a um dano no cérebro mais grave deixando sequelas. Costuma ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, vírus e fungos. A meningite também pode ter origem em processos inflamatórios, como câncer (metástases para meninges), lúpus, reação a algumas drogas, traumatismo craniano e cirurgias cerebrais. Apenas as meningites bacterianas e virais são contagiosas.

Com prevalência na faixa etária pediátrica, principalmente naquelas crianças com menor responsividade imunológica, a meningite infantil costuma atacar os recém-nascidos e menores de dois anos e por isso é fundamental o papel da família na prevenção da meningite infantil. O primeiro cuidado, segundo o médico pediatra, em atuação como Neonatologista da Clínica Santa Helena e sala de vacinas Santa Helena, dr. Gean Carlo da Rocha, é com os hábitos de vida, alimentação e higiene, evitando exposição da criança em ambientes e situação que aumentam o risco de contágio.

A amamentação é fundamental na prevenção de várias doenças e no caso das meningites não é diferente. Através do leite materno, a mãe transfere anticorpos e propicia à criança uma forma natural de proteção contra várias doenças infecciosas. Se a mãe estiver com seu calendário vacinal completo, essa transmissão de anticorpos é ainda mais ampla. Portanto, a atualização do calendário vacinal da mulher, se possível antes da gravidez, é uma forma efetiva de proteção não só da mãe, mas também do seu filho, nos primeiros anos de vida”, esclarece dr. Rocha, que também reforça que embora a meningite seja mais comum na infância, também pode atingir adolescentes, adultos e adultos maiores de 60 anos.

Existem três tipos de meningites: a meningite bacteriana, a meningite viral e a meningite fúngica e os quadros são bastante semelhantes, com sintomas como febre alta, dor de cabeça intensa, náuseas, vômitos, rigidez de nuca (dificuldade para encostar o queixo no peito) e, algumas vezes, manchas na pele (tipo picada de mosquito). Em crianças pequenas, há também o abaulamento de fontanela (moleira inchada). A meningite bacteriana é um quadro grave e agudo, enquanto a meningite viral não é tão grave e o paciente costuma melhorar espontaneamente ao longo dos dias. O problema é que, habitualmente, não é possível distinguir uma meningite viral de uma meningite bacteriana apenas pelos sintomas. Por isso, atenção!

 

Para esclarecer sobre os tipos de meningite, o dr. Gean Rocha explica as características e os sintomas de cada uma:

Meningite bacteriana: é a mais grave e deve ser tratada imediatamente. Todas as meningites bacterianas têm letalidade alta, cerca de 20% dos doentes vão ao óbito. Quanto mais cedo iniciado o tratamento, maior a probabilidade de cura e se evitar sequelas. A evolução da doença é mais rápida e os principais sintomas são: febre alta, mal-estar, vômitos, dor forte de cabeça e no pescoço, rigidez de nuca e, às vezes, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Esse é um sinal de que a infecção está se alastrando rapidamente pelo sangue e o risco de septicemia aumenta muito. Nos bebês, a moleira fica elevada. As bactérias mais comuns são Streptococcus pneumoniae (meningite pneumocócica)Haemophilus influenzae e Neisseria mengitidis (meningite meningocócica).

Meningite viral: o quadro é mais leve. Os sintomas se assemelham aos das gripes e resfriados. A doença acomete principalmente as crianças, que têm febre, dor de cabeça, um pouco de rigidez da nuca, inapetência e ficam irritadas. Uma vez que os exames tenham comprovado tratar-se de meningite viral, a conduta é esperar que o caso se resolva sozinho, como acontece com as outras viroses. A meningite viral é menos agressiva que a bacteriana, com taxa de mortalidade bem mais baixa e com resolução espontânea, sem necessidade de tratamento específico, na maioria dos casos.

Meningite fúngica: é uma forma rara, sendo, geralmente, resultado da propagação de um fungo através do sangue para as meninges. A meningite fúngica é típica de pacientes imunossuprimidos, como nos casos de portadores de AIDS ou câncer e não é contagiosa.

Importante: os sintomas característicos dos quadros de meningite viral ou bacteriana nunca devem ser desconsiderados, especialmente em duas faixas etárias extremas: nos primeiros anos de vida e quando as pessoas começam a envelhecer. Na presença de sinais que possam sugerir a doença, a pessoa deve ser encaminhada para atendimento médico de urgência.

 

TRASMISSÃO DA MENINGITE INFANTIL

De acordo com o dr. Gean, as meningites virais e bacterianas são transmitidas de uma pessoa para outra pela tosse, espirro e pelas mãos sujas no caso de alguns vírus, em vias fecal-oral, oral-oral, respiratória. O modo mais comum de contágio da meningite é através do contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas. Ao contrário da crença popular, a meningite não é transmitida com tanta facilidade como a gripe, e um contato prolongado é necessário para o contágio. Familiares, colegas de turma, namorados e pessoas que residem no mesmo dormitório são aqueles com maior risco. Contatos ocasionais, como apenas um comprimento, uma rápida conversa, ou dividir o mesmo ambiente por pouco tempo oferecem pouco risco.

“A maioria das pessoas que se contaminam com o meningococo não desenvolvem doença. A bactéria fica na orofaringe durante algum tempo até ser eliminada pelo sistema imunológico. Apesar de não desenvolver a meningite, as pessoas contaminadas podem transmitir a bactéria para outras, tornando-se transmissores assintomáticos e transitórios da bactéria”, declara o pediatra.

COMO DEVO PREVINIR MEU FILHO DA MENINGITE INFANTIL

Embora seja uma doença grave e que possa levar a óbito, existem alguns cuidados que podem prevenir a doença e garantir uma infância e vida saudável para o seu filho. O pediatra, dr. Gean, listou algumas recomendações:

  • Hábitos de vida saudáveis são importantes na prevenção da maioria das doenças: alimentação adequada, boa ingestão de líquidos, prática regular de atividades físicas, cuidados adequados de higiene pessoal e ambiental.
  • Lavar as mãos frequentemente – ao chegar do trabalho; antes de preparar, servir ou comer alimentos; depois de usar o banheiro; após auxiliar uma criança a utilizar o banheiro; após trocar fralda; após assoar o nariz, tossir ou espirrar.
  • Proteger o nariz e a boca com o braço ao espirrar ou tossir.
  • Não secar as mãos em toalhas úmidas. Em local coletivo utilizar de preferência toalhas descartáveis.
  • Manter o ambiente limpo e arejado.
  • Alimentos: lavar e desinfetar as frutas e verduras.
  • Limpar os reservatórios de água de abastecimento com solução clorada.
  • Utilizar filtro ou bebedouro para água potável.
  • Desinfetar filtros e bebedouros regularmente.
  • Separar os utensílios de uso individual, em especial das crianças.
  • Todos que tiveram contato prolongado ou íntimo com um paciente com diagnóstico meningite bacteriana, devem iniciar tratamento profilático com antibióticos nas primeiras 24 horas após a identificação do caso. Essas pessoas devem ficar em observação por 10 dias (não é necessário internamento) e devem procurar atendimento médico ao surgimento de qualquer sintoma. Essa profilaxia reduz em 95% a chance de infecção, além de eliminar o estado de portador assintomático da bactéria, reduzindo, assim, a cadeia de transmissão.

VACINA PARA PREVENÇÃO DA MENINGITE INFANTIL

Só há vacinas disponíveis contra meningites bacterianas. E como a meningite pode ser causada por mais de um tipo de bactéria, não existe uma vacina única que previna todos os casos, no entanto, há vacinas individuais contra as principais bactérias e algumas delas, inclusive, fazem parte do calendário básico de vacinação.

“O melhor momento para vacinação é até 1 ano de idade, porque este é o período em que as meningites são mais frequentes, mais graves e apresentam mais riscos de sequelas ou mesmo morte”, recomenda o pediatra.

Como não há necessidade de prescrição, a princípio, qualquer pessoa pode receber as vacinas contra a meningite. Como a maioria das vacinas, estão contraindicadas em caso de reação anafilática a componentes da vacina. As doenças agudas e graves não contraindicam a vacinação, mas recomenda-se adiar até melhora do quadro. Para melhor orientação, recomenda-se conversar com seu médico ou procurar informações com os profissionais que atuam nas salas de vacinação.

Veja o esquema resumido de aplicação das vacinas, que o dr. Gean preparou para facilitar a compreensão:

 

  • Vacina contra Hemophilus B: três doses a partir de 2 meses de idade, com intervalo de 2 meses entre elas e um reforço entre 15 e 18 meses;
  • Vacina Meningocócica conjugada ACWY: três doses no primeiro ano de vida (aos 3, 5 e 7 meses), uma dose de reforço entre 12 e 15 meses e outros reforços aos 5 e 11 anos. Para adolescentes: duas doses com intervalo de 5 anos. Para adultos: dose única. Outras doses de reforço poderão ser recomendadas a critério médico, a partir da análise de risco (epidemias, surtos etc.), se dose anterior foi aplicada há mais de 5 anos. Caso não seja possível a utilização desta vacina, aplicar a vacina meningocócica C (disponível na rede pública), cujo esquema no primeiro ano de vida é de 2 doses, aos 3 e 5 meses, com mesmas recomendações para as doses de reforço;
  • Vacina meningocócica B: três doses no primeiro ano de vida (aos 3, 5 e 7 meses), uma dose de reforço entre 12 e 15 meses;
  • Vacinas Pneumocócicas 10 e 13-valente: três doses, o mais precocemente possível a partir dos 2 meses de idade, com intervalo de 2 meses entre as doses e um reforço aos 15 meses. Para crianças que já completaram esquema de vacinação com a vacina 10 valente, uma dose suplementar da vacina 13 valente deve ser avaliada, para ampliação da proteção contra os sorotipos adicionais.

 

Apesar das importantes melhorias no diagnóstico e no tratamento, dr. Gean alerta para a meningite, pois ainda se mantém como uma das doenças mais preocupantes na pediatria, pois mesmo os indivíduos que sobrevivem ainda podem apresentar sequelas, que vão desde leves dificuldades escolares até a paralisia cerebral, passando por várias formas de defeitos físicos e intelectuais, incluindo a surdez parcial ou completa.

 

Comments

  1. LuciaHerrera says:

    Felizmente para essas mulheres e para os homens, está disponível Titan Gel, o produto que promete dar uma volta de 180º à sua vida sexual. Este é um produto de renome internacional, citado por algumas das publicações mais importantes do mundo – Men’s Health, Maxim e Playboy – e endeusado por atores da indústria pornográfica. Trata-se de um gel muito fácil de aplicar e que garante resultados evidentes após um uso diário e cuidado. titan gel como usar O que você pode aprender com Bill Gates Sobre Titan Gel. Fazer amor é importante para um relacionamento, acredite ou não. Mas fazer isso o mais importante, faz O que você pode aprender com que a relação não seja real. Ainda assim, se o fizer como a expressão de seu amor para seu parceiro, como uma forma de comunicar os seus sentimentos que as palavras nunca poderiam expressar, então você vai descobrir que estará tendo uma relação cumprindo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *